Nandadornelles's Blog

Posts Tagged ‘amor

DSC_0704

O amor é uma

Canção

Que cantamos

Para alguém

DSC_0705

Uma força,

Um fio de

Inspiração

Que nos conduz

Por entre

Momentos de

Eternidade

Sabedoria

DSC_0710

É a luz da

Transcendência,

Superação,

Razão da existência

DSC_0722

Uma entrega

Sincera, necessária,

Honesta

De quem somos

Para a única

E verdadeira

Razão de

Existir;

O outro

DSC_0702

Sua beleza,

Seu encanto,

O fim da solidão

O cessar de qualquer

Pranto

DSC_0696

Amor é

Tudo quanto acontece

E nos une

É o vórtice

Que coloca frente

À frente

Dois seres

Idênticos sempre

Apesar de diferentes

DSC_0693

Seres como

Instrumentos

Seres como

Música

Canções

Mantras que

Resgatam o passado

Para fazer ressurgir

Sonhos

Sonhos de uma vida

Feliz

DSC_0690

Nada além

Da simples

Felicidade

De poder expressar

Quem somos

DSC_0731

E impregnar a realidade

Do mais puro

Êxtase

E ser UM

Com o mundo

Todo

DSC_0739

Dentro de

Nós mesmos

Podendo oferecer

Um lugar

Perfeito

DSC_0733

Pleno

Sagrado:

Todo espaço

Entre e

Ao redor

Daquele que ama

E o ser

Amado.

DSC_0745

 OM

Advertisements

DSC_0683 Foi teu sorriso

Que eu vi

Não era você,

Claro que não,

Mas era o seu

Sorriso

E a alegria que ele

Desperta em mim

Que passeavam

Pela minha rua

Lá, um tantinho acima

Das bordas do portão

Passou algo tão lindo

Quanto teu sorriso

Por uma deliciosa fracãozinha

De segundo

Cheguei a sorrir de volta

Mas a lógica e a memória

Não me deixaram ir muito

Longe

No meu sonho

De ter conseguido chamar

Sua atenção

Bem quando

Corria pra outra

Direção DSC_0646 Como se fosse possível

Existir Uma coisa

Sem

Outra coisa

Ás vezes acho que

Amar você

Também pode não ser

Uma questão de

Querer …

Quando passou de volta

Teu sorriso

Já não era mais

Teu

Ambos já S

Sabíamos que aquele

Bater de olho

Não passou de um sonho

Como aquele

Outro

Onde longe

Nunca nos demoramos

DSC_0582

steps

É praticamente uma mania de “ai ai”. Uma interjeição suave que com o próprio passar do tempo vai ficando mais canto e menos vocábulo. Ainda assim, parece sempre uma espécie de lamúria que, quiçá! um dia, poderá vir a ser música…. mas que enquanto isso não é mais do que um suspiro, anunciação de pranto, refúgio para uma doce melodia, uma valsa ou coisa parecida.

“Ai ai” como remédio e alívio em uma só sentença. Talvez, um jeito antigo de chamar para si a presença do próprio espírito. Ou reclamar a ausência de velhos amigos. A saudade de olhares e sorrisos. A impossibilidade de gemidos e encontros celebrados sem motivo. “Ai ai” diz a saudade quando bate ou a aquela pontinha de cansaço diante do trabalho realizado. “Ai ai” faz a sola dos sapatos descolados, velhos, laceados enquanto caminham para longe do portão até que se percam na rua, no cascalho, na estrada que leva ao desconhecido rumo da vida.

Vogais que se combinam espontaneamente para expressar o caráter infinito de tudo o que sinto. “Ai!” diz minha filha quando perde o traço nos limites da página onde imprime suas visões e descobre suas próprias limitações. A brabeza dela revela a mesma fúria que preciso todos os dias me dispor a domar. “Ai ai” é a minha inconformidade pelas bordas que insistem a me espreitar quando tudo o que urge é se derramar e amar. E meu assombro é a pequenez de toda resignação que pode habitar nessa mania de “ai ai”.

pressa

DSC_0492

De segundo em

Segundo

Encontro com o

Ímpeto de

Me declarar

Tua,

Fiel,

Alma gêmea,

DSC_0517

Companheira e

Guerreira

Sem medo de

Sonhar e

Lutar

DSC_0493

E se a separação é

Uma ilusão,

A distância que

Nos liga

Deve ser

O fato que

Me salva e

Coloca tudo no

Seu devido

Lugar

DSC_0488

Onde basta

Amar

DSC_0498

Será!?

DSC_0512

E se ser feliz

É descobrir

A ordem que rege

O momento de cada

Estar

Quando permitimos

Saciar em

Primeiro

Lugar

Nossa necessidade de

Brincar

DSC_0543

Você resiste

Me amar?

DSC_0485

Aaahh que saudade!

Muitas vezes doeu estar longe daqui. Não poder compartilhar os fatos e entendimentos a medida em que eles ocorriam, como era costume, foi algumas vezes um pequeno sofrimento. Quase como estar vivendo pela metade. Meu mergulho na maternidade e na vida toda que se modifica foi muito mais profundo do que eu poderia imaginar e, em geral, não havia olhos, boca, ouvidos ou espaço livre ou disponível para qualquer coisa que não fosse a minha filha. Exagero?! Sim, é muito provável que eu tenha cometido alguns, mas de nenhum deles me arrependo. Agora estou é feliz por poder estar de volta aqui. Aos poucos vamos falar de tudo e provavelmente discordar em alguns pontos e nos enriquecermos com a diversidade das nossas experiências. Ao menos é o que eu espero, é a isso que eu me proponho!

Mas não é bem assim, né. Talvez, retomar esse blog exija uma explicação. Não que minha ausência possa ter deixado alguém, nesse vasto mundo, desamparado. Mas, como conhecedora do poder das palavras, sei que alguns alguéns podem ter sentido falta da força que elas carregam, seja para nos fazer sonhar, seja para nos alertar, para nos unir ou nos amparar.

Estive ausente porque a vida exigiu mais de mim do que eu mesma tinha a dar. A verdade é que os últimos dois anos da minha vida compõe uma experiência completa que, como falei, em muitos e diferentes momentos eu tive vontade de compartilhar. Mas ainda faltavam pedaços. Faltava o final ou o recomeço, a saída pelo acostamento ou a chegada do corpo de bombeiros(!!).

Tudo o que aprendi nesse período não me pertence exclusivamente. Eu sabia enquanto sofria pela escassez de soluções que qualquer vitória seria coletiva. Assim como foi. Assim como sempre é. Agora, aos poucos, reerguida, enriquecida e fortalecida com essas experiências, eu recomeço com alegria a tarefa de compartilhar os ganhos, os entendimentos, as visões dessa nova perspectiva um tanto mais realista da vida. Mas nunca menos colorida e mística!

Quem me acompanha, seja de perto ou só através do blog, perceberá logo cedo que alguns temas serão recorrentes, entre eles a gratidão, a fé e a confiança. É nessa tríade que a chama da vida tremula e somente nela, em seu centro, no calor e no poder de seu fogo é que tudo o que não é amor pode ser transmutado. Viver amparada nessa tríade é um desafio constante e um exigente exercício de equilíbrio entre tudo o que nos compõe e nos integra. A vida, a oportunidade que nos foi dada para trilhar os caminhos que levam até essa tríade para depois seguir por aqueles mais lindos que somente ela pode nos conduzir.

!Gratidão!

Gratidão por essa volta, pela retomada de um projeto pessoal que me transcende em boas intenções. Gratidão por todas as mãos que seguraram na minha, por todas as orações, pelos desejos sinceros, pelos ouvidos que acomodaram tanta tristeza, pelas palavras, braços e afagos que me consolaram. Gratidão por toda força contida na convicção de cada um que esteve ao meu lado de que não havia outra possibilidade além da melhor. Gratidão por todas as vozes e olhares como elos numa corrente leve e inquebrável que puxa para o céu, que nos conduz todos ao infinito, à eternidade, ao estado natural de união com o Divino.

!Fé!

Fé em Deus. Acima das religiões e dos rótulos. Fé em mim. Fé no amor. Fé na vida. Fé no exercício muita vezes cruel de estar na Terra. Fé no trabalho. Fé na união. Fé na beleza, na inspiração. Fé em todo algo mais que nos habita e nos permeia. Fé no milagre. Fé como o grande milagre. Fé como uma espinha dorsal nos mantem eretos, firmes, caminhando, seguindo. Fé como o olhar presente que enxerga além da linha do horizonte. Fé como a loucura do são, um forte contraponto à razão.

! Confiança!

Confiança como um fincar de pés, um bater os punhos cerrados no ar, no chão ou na mesa. Confiança como a decisão interna, como um posicionamento firme sobre o que é. O exercício real do livre-arbítrio quando dentro de nós mesmos, antecipadamente, optamos entre o bem ou o mal. Confiança como um salto no escuro, um mergulho dentro do outro, do diferente, do desconhecido. É responder um solene SIM cada vez que a dúvida pairar, ou ainda, entende-la como uma enviada da intuição e investigar. Confiar em si mesmo, em nossos medos e instintos, em nossas visões, impressões e impulsos. Confiar que a paz está em algum lugar muito próximo e que se for de nosso desejo verdadeiro encontra-la, nós juntos a faremos voltar a reinar.

Feliz por estar aqui.

A todos nós, sempre, uma Boa Jornada!

Hari Om


Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 673 other followers

December 2017
M T W T F S S
« Apr    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031