Nandadornelles's Blog

Correndo contra o tempo

Posted on: October 28, 2010

 Tudo bem a gente ter algumas manias, certo?!  – issh terei que me esforcar para nao trasformar um inicial post curto num tratado sobre o ser humano e seu lado mundano – Entao, como eu ia dizendo, tudo bem ter umas manias. Principalmente se elas forem fofinhas. Chato e ter mania de tirar caca do nariz e comer ou falar mal dos outros quando eles nao estao por perto pra se defender. Mas fora isto, acho que tudo ‘e meio permitido.

‘Oooooobvio que eu tenho manias. Tenho tantas, mas tantas que nem sei que tenho. Umas que eu acho que e coisa de normal, outras que sao sintoma das minhas crencas no plano astral. Mas hoje, agora, aqui, eu queria falar de uma mania minha bem especifica.

Como toda boa mania, eu nao sei quando ela comecou. So sei que chegou e de repente eu tinha mais de uma duzia de fotos de escadarias e de bancos de praca sem ninguem sentado. O lance das escadarias parece que esta resolvido desde o inicio. Evolucao, n’e, Sr. Joao! Mas a coisa dos bancos sempre carregava um que de melancolia descabida. Ainda que foram muitos os bancos que eu nem fotografei, talvez ate porque estivesse com os olhos cheios de lagrima ja nao conseguindo ver nada.

Bancos de praca sem ninguem sentado… Imagina o quadro: um casal de namorados. Homem e mulher lado a lado. Ambos olhando pra frente com um olhar descancado. Eles se tocam em muitos pontos ao longo do corpo. A cabeca dela reclinada contra o espaco entre o ombro e o pescoco dele. A dele, de leve, sem soltar todo o peso dos anos passados e das preocupacoes futuras, sobre a dela, de uma forma muito discreta. Os bracos se rocam indicando o incio do entrelacamento das maos, o simbolo de uma linda uniao. E assim, segue de cima ate em baixo, torso, quadris, pernas e pes. Lado direito dele e esquerdo dela, encostados, compartilhados.

Nao existe nada a frente deles para onde eles olhem. Eles olham para o nada porque ja viram tudo. Nao existe a ansiedade caracteristica da ignorancia nem da pretensao de saber ou fazer. Eles confiaram, trabalharam, colheram os frutos e agora contemplam a paz de uma experiencia conjunta bem suscedida. Eles podem ter alcancado muito na vida terrena, tanto quanto podem ter sido despretensiosos em seus pedidos. Nao faz diferenca alguma. A paz e a mesma, essencialmente verdadeira.

Os cabelos podem ja estar brancos e as rugas a mostra sem nenhum tipo de vergonha. Nada disto e empecilho para que entre um minuto e outro o pacto seja lembrado e refeito com um apaixonado beijo. Nao interessa nem que esteja passando por perto o Padre ou o Sr. Prefeito. Eles carregam algo muito grande dentro do peito, foi o que manteve a chama da paixao acesa e o amor como o caminho mais bonito a ser trilhado com o melhor amigo.

Ai que nasceu uma mania desconhecida. ‘E que antes eu sofria porque lamentava antecipadamente que isto nunca fosse acontecer comigo. Eu via os bancos e pensava num plano para alcancar aquele momento e ao mesmo tempo ja desistia de um sonho bobo ficando apenas com o resultado da minha mania: uma fotografia de algo que eu muito queria mas que provavelmente nunca teria.

Passeando pelo interior de Sao Paulo, eu vi muitos bancos de praca vazios. Sentei sozinha em um ou outro para tomar um suco, respirar um ar puro. Por outros, passei correndo, nem os vi direito. Ate que me perguntei por que eu nao havia tirado nenhuma fotografia, por que nenhum daqueles bancos havia me despertado dor e ao inves disso me oferecido alegria? Bingo! Estar inteira faz toda a diferenca. Claro que eu nao consegui isto sozinha. Ate porque naquele meu quadro esta sentado um casal e para isto seria indispensavel uma companhia masculina. Olhei pro lado e lembrei que ela nao estava la comigo. Nao de uma forma que pudesse sentar no banco da praca de Santa Gertrudes ao meu lado, mas ja esteve no banco da beira da praia de Santo Antonio de Lisboa e estara em mais dezenas de outros bancos de cidades que ainda nem sei o nome. Que quando chegarmos e sentarmos deixarao de estar vazios e nem servirao mais como objeto da minha mania. 

Mas um belo dia eu quis mesmo ter uma recordacao da minha transformcao; eu tinha tempo, a luz estava relativamente boa e meus olhos enxegavam perfeitamente livres de lagrimas antigas por paixoes mal vividas. Corri para o carro, peguei minha camera xinfrim cor de rosa e registrei o momento: mais de um banco de praca vazio e meu coracao longe de estar por um fio.

Se um dia eu terei a honra de ser aquela senhorinha do meu quadro m’agico ao lado do meu masculino escolhido, s’o o tempo podera dizer. A diferenca ‘e que agora sei que mereco e que, diante disto, s’o posso pagar pra ver. Hoje em dia todo passo tem sido um inicio na minha vida. O mais lindo.

Sendo romantica sem medo! E ate me dou ao direito de cantar em voz alta: “Corro contra o tempo pra te ver Eu vivo louco por querer voce Ohh uOh u Morro de saudade e a culpa e sua“!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 673 other followers

October 2010
M T W T F S S
« Sep   Nov »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Advertisements
%d bloggers like this: