Nandadornelles's Blog

Archive for June 2009

Do not get tired too easily. Lots of what you are about to read in this blog has to do with my morning walk on the beach. Not that this is a thing I do for a living. What happens is that most of the divine that makes my life actually starts in my morning beach walk which I take as I my dearest duty to write about it. It is the time I get to present myself to God. I walk every day that is possible – I have other ritual just in case it is raining, too cold or I have to go to work too early – something around two hours; bare foot, letting waves cross my way made by fresh sands, shells and blue sky. This is my time to let universe organize everything that belongs to me. During my walk I look for that particular connection with world’s blessed source and, from there, I expand my intentions through my way. It is when Universe sees where – and mainly, how – I am and rearrange all the possibilities to ensure that I will be following the right pathway. It is when we set up all the agreement necessary to keep going. So, today, during my walk on the beach, it happened that I caught the ball!

Maybe you might had felt like if you weren’t been seen by God. You would be living with this feeling of being completely by yourself, not exactly interacting with universe. Eventually, you would get jealous from others around you who seemed to be getting so much more, like if they were in this gentle non-stop game with life: throwing and catching the ball. A ball, like life opportunities; or you are ready to catch it or you don’t. Catch it or not is another part of the challenge while being ready defines whether you are in or out the game; completely alive.

So I was walking, again tears rolling down my cheeks so grateful I was. All that magic sea besides me, so clear and pure. People hanging around together, children laughing out loud, just so many manifestations of God, of life. When, suddenly, two guys were running and playing football – Australian football – towards my way. As I realize their game, so cheerful, light, easy I felt their energy. It was something contagious and I was smiling and barracking on for both, for the game indeed. Though, if I had seen this a couple of months ago, I would have wished they didn’t see me neither try any silly joke and looking to the opposite directions I would shameless pretend they didn’t exist. But today I was open and ready as I would realize soon.

You never know whether you are ready until you try something out. Of course there are circumstances, when something is completely stranger, that you don’t need to smash your hands to be conscious about how much you still are suppose to learn about it. But when we are talking about life, when it is a matter of being brave enough to just accept what has been offered, those shiny possibilities that pop up in front of you; who has any doubt that it is God teasing you just to check out how ready you are to what comes next?

The thing is, you never know. I caught that ball. They throw it. Smiling, cheerfully playing. And I caught it. When I throw it back I was smiling, I was cheerful, though I wasn’t quite not sure how good I could make it. But I did. It is true my arm got a little bit sore, just because I am not used to. That ball is heavy. Now I know! Those guys caught it back and just kept going on their game. Cheerfully, light. Like life when brings you a real life-change opportunity.

There is no way to explain what I felt. It was like I had discovered something so powerful as I couldn’t imagine – in fact I did, another part of me, another beautiful and brave part of me. I finished my walk crying and praying. Words and feelings were coming from that sacred place. A special praying happened inside me thanking God for getting so close from him once again. For feeling his energy by taking action, by letting life runs in my veins. I no longer belonged to me. My life was in the hands of Something Higher and I was no longer the same.

The truth is that after you get ready once, that’s it! Then a new circle is open and you just have to keep going, keep focus and feel it. The first time you jump into the unknown is unforgettable. As it could be when you experience yourself in such a different way; it is you and “the you” that you are about to become. But because you are already trying, going for it, you are actually already there! There is nothing to fear despite of not taking this possibility, losing the chance of feeling brave, of feeling so present in you by you that nothing else matter. The unknown is around us all the time. Making use of you mind and soul, everything is always new. We are in an infinity circle where either the world or you are in constant change.

I caught that ball the same way nowadays I go for my dreams. Not less, not half, not a bit. Fully and entirely I’m into it. Wherever my dreams can lead me, I will find out when it is time. The most important, I keep myself ready. While life presents itself as this blissful game; I am IN!

australian-football-rules-high-mark-fly1

Any doubt about how much is this guy IN?!
Australian Football is fun from beginning to end! + @

Advertisements

A new day begins. Inside me, a total new opportunity to reveal what is unknown. Another chance has been given me to find out the most hidden secrets and live it. Therefore I don’t need to walk a long distance. It’s not needed to go far away from here or there. Says an old tale that God has been hidden the most powerful truths inside ourselves in order to ensure that we would look inside and walk in our own directions. And, indeed, inside me I may find even you.

Although it is said that a different place may be still the same while you don’t change yourself, a place has, no doubt, a huge influence in all those “how” that involves a transformation that leads to evolution. I see that as a matter of merit. It’s not personal, it is just customized. And why it wouldn’t be?! Someone knows better, Someone knows it all and our journey has been set up so long before we decide going for it. It is part of our journey accepting its way.

There was a time I didn’t accept mine. More than this. I didn’t even recognize my surrounding as part of my journey. I used to have that illusion that a journey would be like a sacred pathway crossed by a pilgrim; a start, a route, known challenges and, finally, an end.  At that time I didn’t understand that a pilgrim’s walk is just one little part in his journey when he seek for the clarification of mind through body purification. My body purification was all the time besides me, at least all that was very needed to start with. I assume that this is what they meant about a place not being what makes who you are. Mainly not in the beginning of your journey.

It’s expected from you to start with what you have. Doesn’t matter if it is a spiritual journey or a new business. Don’t take any loans. Both, financial and spiritual, are so hard to pay back later on. Firstly, because as soon as we start making profit – or feel better and stand on our own feet – we forget to look back so excited about the miracles that come within. Secondly, all the effort needed to start something out of nowhere is the exercise of given birth. It is all the movements you make and all the energy that rises and comes within that is going to support you all the way. Without this first and so powerful movement, there is no next step. It would be the same as buying a brand new, amazing, priceless alarm system for your car though you don’t have a car yet. Or, even more common, waiting to win all that money so you’ll stop being unhappy. In a spiritual journey the next step is built by you as you are in the first step. How much effort do you put in that is going to define what comes next. That’s why they say; don’t wait for the perfect place. It is a matter of doing your best here and now for you own sake.

Though, cheerfully, comes a time that we are suppose to go deeper in our journey. The next step expects us to take this huge commitment that doesn’t match with our surrounding anymore. Listen carefully, our surroundings might not be disturbing us, causing anger or distracting us from our goal. It is a matter of deserving a better place that suit our journey better.  For that, we don’t need to look for it. It is something that happens announced and spontaneously. As India just happened to me. See you there!

IndiaSpirituality_Header

Estou fazendo um trabalho voluntário aqui na Gold Coast, um dos lugares mais wealthy para se viver na Australia. Casas de centenas de milhões de dólares, estrelas de cinema têm suas casas aqui. Canais artificiais recortam toda a cidade, lanchas, iates nas garagens aquáticas das casas mudam a paisagem. Na Marina, mais centenas de milhões de dolares; mais luxurious yatchs ao lado das lojas mais fancy and expensive para garantir a diversão das esposas… para as crianças, gigantes parques temáticos pela cidade, incontáveis diversões. São muitas opções, tudo envolve muito dinheiro. E os mendigos, bem, quem é que olha pra eles?! Há quem nem saiba que eles existam por aqui…

A instituição de que faço parte é a “Rosies – friends on the street”(www.rosies.org.au), que tem uma logomarca que oferece diferentes interpretações, mas o significado de que mais gosto é um homem carregando um coração nas costas. Pra mim é o que faz mais sentido. Olhar e cuidar dos mendigos não é somente alimentá-los, cuidar da fome e das necessidades do corpo. Mendigo tem mesmo é fome de ser gente e é por alimentar essa necessidade deles que eles nos agradecem toda vez.

Sempre imaginei um trabalho voluntário como algo sublime, supremo, acima do bem e do mal, coisa para as almas mais evoluídas. Caí na real: trabalho voluntário é chakra básico, é o poder de realização. É a habilidade de ver uma necessidade, juntar as forças disponíveis e fazer acontecer. Ninguém vai resolver os problemas do mundo sozinho e enquanto tivermos esta idéia, imobilizados; tudo fica por fazer, tudo continua como está. A verdade é que toda uma realidade se transforma a partir dos pequenos gestos em direção aos disadvantages, aos desafortunados, não somente o environment que nos cerca como sutis pontos de percepção dentro de cada um. A partir daí, é só confiar que pequenos milagres hão de acontecer.

Eu tenho esse amigo que afirma que trabalhos voluntários são exercícios do ego e manifestações de egoísmo. Aí, bom, se a intenção do seu gesto reside somente em sentir-se melhor, seria mais assertivo fazer, diretamente, algo por você. Mas em geral, eu discordo. O que eu vejo são pessoas com um poder de comprometimento muito forte, algumas tão abastadas que preenchem o tempo livre pela desnecessidade do trabalho, outras struggle para conciliar aquele momento de doação em timetables apertados entre estudos e trabalho. Não cabe a ninguém julgar as razãos que movem e sustentam esses gurpos de pessoas que lutam para provocar pequenas diferenças. O fato de exister um movimento de doação apesar dos pesares – sim, porque essas pessoas não deixam de arregaçar as mangas nos dias de frio e de chuva – confronta a idéia do determinismo a partir da frágil e transformadora presença do livre-arbítrio. Ingredientes suficientes para dar sentido a toda uma existência e gerar mais pequenos milagres.

Acredito, sim, que cada pessoa está hoje exatamente no lugar em que deveria estar, nem mais pra cá nem mais pra lá. Suas ações, as dessa vida e a somatória das suas ações desde o início de tudo, seus pensamentos, suas intenções, suas respostas ao que a vida te ofereceu; um pouquinho de tudo coloca você onde você está hoje. Passar fome?! Tem necessidade mais física do que fome, frio? O medo de não sobreviver porque o corpo, seu veículo precioso, não tem as condições necessárias? É a dor do corpo. É o que temos de mais real nesse mundo enquanto caminhamos no estágio da matéria. E, apesar dos discursos mais lindos sobre a transcendência espiritual, ninguém pode seguir para o próximo passo enquanto não se resolver material, fisicamente; chakra básico mais uma vez. Nesse contexto, já me imaginei no lugar deles e não suportei a dor de carregar a responsabilidade por se encontrar em tamanho estado de animalidade. É por isso que a loucura é a doença mais comum nas ruas. Eu sei que eu não suportaria, eu iria à loucura. Admititr para os seus mais queridos até mesmo para os mais ilustres desconhecidos, quando toda uma estrutura criada para se auto-gerir enquanto alavanca os crescimentos de diferentes ciclos evolutivos te expulsa porque você não foi capaz de jogar o jogo. Difícil dizer o que dói mais, se são as sensações físicas pelo estado miserável ou as milhares de vozes que falam ao mesmo tempo dentro da sua cabeça e os dedos que te apontam como culpado por você estar ali naquele estado. Alguém precisa ajudar, uma mão precisa ser estendida para que o caminho de volta possa a ser uma opção. A escolha é unicamente deles, mas a mão pode ser a sua.

Então, para fechar a roda é preciso de um doador. Quem doa é chakra cardíaco. Veja bem, não estamos falando de troca; chakra sexual. Interagir mais proximamente com pessoas com necessidades tão visíveis como a fome, o frio, a falta de higiene e, muitas vezes, de saúde, é – na ânsia de ajudar, já que você já assumiu o ato com seu comprometimento – sair à procura do que você tem e acabar descobrindo a sua abundância pessoal. Se um movimento externo de intenção sincera provoca um resultado interno tão bonito, não poderia ser a mão de Deus te fazendo ainda melhor, mais preparado, mais divinamente guiado para caminhar neste mundo?!

Para mim, o trabalho voluntário é essa reflexão, é esse exercício de interagir de perto com uma realidade nada agradável. É o exercício do caminho inverso. O nosso piloto automático, o nosso eu egóico, a medida em que construimos nossas estruturas, nossas seguranças e certezas, tende a nos levar cada vez mais para zonas de conforto. Por isso cercamos e muramos a nossa casa, o alarme no carro, os vidros escuros e uma janela bem grande na direçao da vista mais bonita – e segura. É o contrário do que o seu eu está esperando e assim mexer diretamente com seu Eu inferior. É sentir de perto os seus maiores medos e, ao invés de por eles se deixar paralizar, agir na intenção de ajudar o próximo. É trazer para a consciência os resultados da irresponsabilidade pessoal, as faces mais indesejáveis da inveja, ganância, da ira, da preguiça, orgulho e se dispor a ser um agente de transformação. É quando o mal fortalece o bem e o bem tranforma o mal porque não há nada que os (nos) separa, são (somos) partes de um mesmo todo. Se é assim, não há o que temer, só há muito o que fazer! Mãos à obra!

O processo de cura é constante.DSCF0410

Sei que, em ti, quem me escuta é o teu Deus, por isso não temo e te digo:  Vou construir uma escada que me leve ao ponto em que possa viver para ajudar àqueles que precisam. Talvez,  em retribuição a toda luz que recebi para sair da minha própria escuridão. Talvez, em retribuição à oportunidade da vida. Talvez, sem razão alguma. Simplesmente, é nesta direção que eu vou.

Namaste!

Houve um tempo em que meus planos eram grandes. Maiores do que eu, dependiam da força dos nomes, se realizariam através de personagens. O tempo foi passando e levando com ele as ilusões mais desnecessárias. Hoje, o grande espaço dos planos foi preenchido por simples, práticos e verdadeiros propósitos. Vários pequenos propósitos constroem a minha vida. Propósitos que são únicos em si, que se buscam isoladamente mas que abrem portas para os próximos passos. Propósitos geradores de energia para o processo infinito de crescimento. Simples propósitos, um depois do outro, revelam a minha vida como asanas.

Planos são recheados de “como” e “quando”, estratégias, detalhes, toneladas de informações que só cansam, nos fazem mental demais. Enquanto os propósitos carregam a essência e, bem… quem é que precisa mais do que essência? Quem é louco a ponto de querer colocar em prática planos mirabolantes, querer desvendar desejos tão específicos num mundo tão mutante. Há de ser flexível. Propósitos são flexíveis. Propósitos carregam a energia da intenção. Intenção que se revela maior do que o propósito, maior do que o ser que o realiza. Intenção que transforma; pura força criadora que nasce do coração!

Propósitos são alegres e cheios de vida porque não carregam o medo do fracasso. Planos têm checkpoint. Sabe né, PDCA (Plan, Do, Check, Action) aquele círculo vicioso super bem vendido da técnica milenar de auto-indulgência 5s’s. Propósitos são livres. Quando seu foco está na atenção e na IN+ atenção – olha que lindo! a atenção que se coloca em si mesmo, que está dentro de nós, aquilo que parte de nós para o mundo, tudo de melhor do que eu sou em tudo o que faço; Intenção – todo resultado é válido e o grande presente é o que aconteceu com você enquanto você se dedicava ao processo. O valor do Durante. O que vem como resultao do esforço guiado pelo próspósito já é vitória e prêmio em um só.

Realizar uma postura de yoga é mexer com seus mais verdadeiros porpósitos. É buscar e levar a energia da intenção pela respiração, de e para cada célula do(s) corpo(s) e colher os frutos, sejam eles quais forem.  Basicamente, porque o mais válido deles é você mesmo. É a sensação gostosa de estar aqui, de fazer parte de tudo isso, desse mundo – não com a mente e os planos, mas com o coração, com os sentimentos, os mais puros e espontâneos. Realizar um asana não é a busca pela posição ideal e perfeita ou a simples montagem de um quebra-cabeça. Um asana é a união do movimento, a posição do seu corpo, mas, principalmente, a relação de cada parte, interna e externa, uma com a outra e com o mundo. O que acontece dentro de você enquanto você busca a postura e a sua capacidade de entender quando, do seu modo, você já chegou onde podia chegar. Quando, independente de qualquer outro padrão ou referência, para você aquela postura já aconteceu e é hora de celebrar. Quando é a hora de reduzir a rigidez, o foco nos ajustes e só manter o que se construiu, cultivar alívio, o vazio revitalizante conquistado. Se você não estiver aberto a isso, a busca pela postura perfeita pode ser não só dolorida como interminável. E qual é o propósito de um asana senão o de se encontrar em incomparável sensação de bem-estar com você mesmo em um pedacinho perfeito de mundo, naquela fração de segundos em que todos os muros são derrubados e tudo passa a ser Uma só grande onda em alto mar.

Um brinde aos simples e bons propósitos!

DSCF0587

Eu devia ter uns 8 anos quando meu pai colocou um LP e me chamou para ouvir, em segredo, uma música especial. Era véspera do Dia das Mães e a música talvez fosse uma sugestão para alguma surpresa que poderíamos fazer. O segredo se acabou com o soluçar incontrolável do meu choro. Tentei encontrar essa música agora, mas foi impossível, eu não sabia nem o nome nem o artista. Eu não lembro do refrão. Eu só lembro do que senti, da dor no meu peito, o nó na minha garganta quando ouvi alguém cantando a beleza do Ser Mãe. Era algo como descortinar o auto para a maior das coragens. Afinal, o que pode ser maior do que ser mãe?

Hoje é o aniversári da minha mãe. Já há alguns anos, minha mãe está na minha vida em energia, em pensamento e sentimento como um dos presentes mais agradáveis e insubstituíveis que o universo me deu. Não me doi estar a 3 dias de distância da minha (a)Mada no dia do seu aniversário. Há um ponto entre nós que quando se fez nos uniu de tal forma eliminando traços de tempo e espaço. Minha mãe está comigo onde estou e eu estou lá, ao lado dela, sempre e totalmente.

Seu aniversário me traz felicidade e lembranças. Felicidade por todo o tempo que já pudemos compartilhar juntas, por todo o aprendizado, pelo lindo crescimento. Lembranças como a de quando minha irmã e eu eramos pequenas e aguardávamos ansiosas pela manhã, com um plano escancarado e bolsos recheado de cartões coloridos, cartazes a serem colados pela casa em um silêncio duvidoso para depois, ainda de pijamas, entrar devagarinho para acordá-la, descosiderando a quanto tempo ela já não estavanum sono fingido aguardando a nossa chegada, o nosso sorriso, nossos beijos e abraços. Acabaríamos todos na juntos na cama. Abraços, beijos e risadas… e choros e mais risadas. Parabéns a você, nessa data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida… êêê Viva a Mãe!!!

Hoje, se eu estivesse ao teu lado, eu correria pra tua cama ao amanhecer, como quando criança. Te encheria de beijos. Sentiria teu cheiro, buscaria as tuas mãos; as tuas mãozinhas lindas que adoro. Te diria que te amo, como se fosse uma grande novidade e te convidaria para uma caminhada na praia. Enquanto caminhássemos, te falaria dos meus sentimentos, dos meus desejos para o teu próximo ano…

…  Mãe, eu sei que não foi fácil chegar até aqui. Mesmo não estando presente ou tendo conhecimento de todo o caminho nos traz juntas até o presente, eu sei que a vida exigiu muito de ti. Quero que saiba que eu sinto muito e que, do fundo do meu coração, eu faria todo o possível para transformar toda dor em alegria. O passado está fora do meu alcance, mas o hoje é este grande presente da vida pra ti. O hoje é o momento que te é oferecido para Ser e tudo mais que precisares para que sejas feliz, eu quero poder ajudar. Assim, te ofereço a força do meu amor, que só se engrandece com o entendimento da tua presença na minha vida, para com ela tranformar qualquer dificuldade em agradáveis sensações de bem-estar. Que a imensa gratidão que eu sinto por todos os teus esforços, por toda a tua coragem preencham teu coração e dignifiquem todo o teu empenho. O teu olhar zeloso, o teu exemplo de mãe, de mulher que batalha, que não teme, que não se cansa. Aquela que dá sem esperar receber. Te entrega ao hoje e, apartir deste agora, recebe. Recebe tudo de bom que vem àqueles que amam. Segue com teus passos firmes, agora, em direção a ti mesma. Que teu novo ano te receba com flores, as mais lindas que você escolher. Pinta o quadro do teu lugar preferido e permite que ele se materialize diante de ti como um vencedor que recebe o prêmio, o prêmio que se saber pertencer. O prêmio de chegar onde a vida é Ser. Deixa que se unam as forças dos sonhos e vive. Vive que este Sol que brilha hoje é só pra ti!mae festa

Te amo com todas as minhas forças. Te admiro com toda a minha alma. Brilha e Ilumina tudo ao teu redor com a tua luz de Ser Divino. … e me sente, pois eu estou do teu lado a te abraçar e te amar. FELIZ ANIVERSÁRIO!

Do you know who they are?

Have you looked for the reasons they might died, reasons that would change the way you experience life?

Grief is not the purpose of death. To grow, to improve your living skills; this is the truth meaning of someone’s death.

Be wise, Look around, don’t waste someone’s effort. Take what is your and jump into the next level – where you might be asked to die for…

14139


Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 673 other followers

June 2009
M T W T F S S
« May   Jul »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930